sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Fim do dia em Porto Covo

Agora que o Verão está a chegar ao fim, sabe bem recordar aqueles dias de calor à beira-mar. Um desses dias foi passado na costa alentejana perto de Odeceixe, cujas águas são um tanto ou quanto "geladas". A maioria das praias é óptima para o surf e desportos do género.
No regresso, fomos ver o por-do-Sol em Porto Covo. Aqui temos uma pequena compilação de fotos feita pela Graça.

sexta-feira, 10 de setembro de 2010

Quinta da Regaleira - Sintra

Uma tarde de um dos Domingos deste Verão foi passada num dos tesouros de Sintra - a Quinta da Regaleira. Trata-se de um sítio agradável para passear e para apreciar uma série de simbolismos esotéricos, cheio de lagos, grutas, torres, estatuetas, fontes, etc. Parece que o senhor que mandou construir a quinta era um tipo cheio de dinheiro e, claro, resolveu gastar ali uma boa parte. E fez muito bem. Quase cem anos depois, é uma preciosidade a não perder. Os bihetes é que são um bocadito caros. Mas hà que aproveitar o dinheiros dos "camones" e dos portuguesitos que querem usufruir de algum património cultural do seu país.

segunda-feira, 6 de setembro de 2010

Para relaxar

Cada vez mais os verões em Lisboa são sufocantes. Com temperaturas sempre acima dos trinta graus, não tarda muito para termos um clima parecido com o Norte de África. Devido a isso este foi o verão que fomos mais vezes a praias portuguesas. Aqui perto de Lisboa, as melhores praias apesar de tudo são ainda as da Costa da Caparica. Quando digo apesar de tudo estou a referir-me a que ao fim de semana as praias ficam completamente atulhadas de gente, que também tiveram a mesma ideia de nós: ir a banhos de Sol e mar. Em situações normais, em quinze ou vinte minutos depois de sair de casa, já estamos a procurar um lugar para estender as toalhas.
Este último Sábado à tarde, mais uma vez rumámos à Praia da Rainha, que é uma praia que eu (Paulo) gosto particularmente pois é fácil estacionar (a Graça prefere a Praia da Cabana do Pescador) e o  areal está bastante acessível. O fim do dia é a melhor parte do dia, pois a praia fica quase só para nós e para as gaivotas. Segue-se uma pequena compilação de fotos em vídeo feita pela Graça obtidas nesse final de tarde. Só para o relax...


sábado, 4 de setembro de 2010

Férias na Madeira - parte II - Fogo de Artifício

Para dinamizar o turismo, a Região da Madeira organiza vários eventos durante o ano, como por exemplo, a Festa da Flor, o Carnaval ou o espectacular fogo de artifício da passagem do ano. Desta vez, estava a decorrer a Festa do Mar, com vários espectáculos musicais e não só.
Na noite do dia em que chegamos, Sábado, pudémos assistir a 20 minutos de um fogo de artifício no porto do Funchal, em primeira fila. Era muita a gente que ocupava uma boa parte dos jardins da Avenida do Mar para poder apreciar este acontecimento pirotécnico. Nós, com algum espiríto de aventura, subimos para cima de um dos paredões do porto, onde também já estava imensa juventude madeirense, e já sentados, disfrutamos de um show de luz, cor e som. As fotos que se seguem pretendem demonstrar que, por vezes, há uma beleza exotérica em queimar uns bons milhares de euros.





























quarta-feira, 1 de setembro de 2010

Férias na Madeira - parte I

Em Junho passado fomos passar seis dias de férias à ilha da Madeira. Já há algum tempo que tinhamos a ideia de gozar um tempo de descanso na terra do Alberto João Jardim.  Para tal, reservamos um quarto no Hotel Meliá Madeira Mare, um excelente hotel de 5* no Funchal, inaugurado em 2009, mas que naquela altura estava em conta.
A manhã foi gasta na viagem (estamos mais tempo no aeroporto do que no avião) e no rent-a-car para levantar a viatura. Conseguimos um bom preço, mas dada a quantidade de pessoas para levantar os carros ao mesmo tempo, estivémos mais de uma hora na fila. De qualquer forma, o carro que nos calhou em sorte era novinho em folha e portou-se bem a fazer os mais de 700 quilómetros percorridos durante a nossa estadia.


Depois do almoço, para começarmos a ver as vistas, resolvemos ir apreciar a paisagem para os lados do  Curral da Freiras.  No entanto, depois de uma estrada cheia de curvas e contra-curvas sempre a subir (que é o que não falta na Madeira), quando chegamos ao estacionamento do miradouro do Curral da Freiras, o tempo tinha mudado radicalmente. Um espesso nevoeiro impedia-nos de admirar fosse o que fosse.
  

Já que estavamos ali, prosseguimos a pé pelo caminho bem cuidado até ao miradouro. Desde já uma nota: a grande maioria dos percursos turísticos na Madeira estão muito bem tratados e vê-se que há um empenho em os manter limpos, coisa que infelizmente não acontece em muitos locais no Continente. Por exemplo, neste e noutros percursos, os caixotes do lixo estão dentro de cestos de vime, que se enquadram muito bem esteticamente. 


Chegados ao miradouro da Eira do Serrado pudemos observar uma parte da paisagem que não estava coberta pelo nevoeiro. Pudemos visualizar parte do Curral das Freiras mais de 500 metros abaixo de nós.



Este miradouro é um dos mais conhecidos da ilha, e está situado a mais de 1000 metros de altitude. Naquele dia, todavia, o nevoeiro tinha afastado a maioria dos turistas.


O tempo àquela altitude alterna rapidamente entre nevoeiro e Sol. Quando este aparece,  a temperatura sobe depressa.


A parte mais alta do Curral das Freiras ainda escondida pelo nevoeiro. À direita podemos ver a única estrada que liga esta localidade do centro da ilha ao resto da Madeira. Para chegar ao outro lado é necessário percorrer um túnel, um dos muitos que existem por toda a ilha.


Um dos muitos atractivos da Madeira é a beleza da flores que podemos encontrar em muitos locais.


A conjugação da temperatura e humidade é propícia a que por todo o lado surjam plantas de diferentes formas e feitios e com flores muitos bonitas.


No regresso ao hotel passamos pelo miradouro do Pico dos Barcelos onde se pode ver a beleza da cidade do Funchal em toda a sua extensão.


No Funchal vive quase metade da população da ilha. Toda a cidade se espraia pelas encostas quase até aos 800 metros de altitude, zona onde estão quase sempre núvens - o célebre capacete.  Apesar disso as temperaturas são amenas e agradáveis.